AUTOR: Francisco Barrios Marco, Fisioterapeuta

A magnetoterapia utiliza-se no tratamento da osteopatia de púbis devido essencialmente ao seu efeito anti-inflamatório, regenerador e analgésico.

A osteopatia de púbis é mais comum nos homens e especialmente em desportistas, sobretudo em corredores e futebolistas.

A pubalgia produz-se por traumatismos, corte ou deterioração dos ligamentos que fixam a sínfise púbica.

Os desportistas que têm uma marcada hiperlordose lombar e/ou a musculatura abdominal debilitada tendem a padecer em maior grau desta patologia, especialmente se o lugar da prática desportiva for um terreno pouco uniforme. Também contribui para aumentar os riscos quando se realiza um trabalho com cargas excessivas e mal programado, bem como o facto de que deficiências técnicas não corrigidas produzirem movimentos mal executados. Os aquecimentos mal realizados ou a falta de atenção aos alongamentos antes e após a prática desportiva contribuem para o aumento da incidência da pubalgia em desportistas.

A magnetoterapia de baixa frequência é o tipo de campo magnético de eleição para o tratamento da osteopatia de púbis pois contribuirá para o processo de melhoria relaxando os músculos que têm a sua origem ou se inserem na sínfise púbica permitindo-nos reduzir o efeito de corte na zona. Para além disso, a vasodilatação permitir-nos-á obter um efeito anti-inflamatório e trófico.

Os fisioterapeutas deveriam utilizar o sistema de prevenção tanto como utilizam o tratamento de patologias. Torna-se mais rentável dedicar um pouco de tempo e atenção à prevenção da osteopatia de púbis que ao longo do processo de tratamento. Vamos assim dar alguns conselhos que tenderão a diminuir a incidência da pubalgia ou pelo menos a torná-la menos grave:

  • Realização de um treino programado com um desenho de cargas adaptado às próprias capacidades.
  • Aquecimento e exercícios para voltar à normalidade após cada sessão de treino.
  • Alongamentos dos músculos que têm a sua inserção ou origem na sínfise púbica.
  • Treinar os abdominais como músculos essenciais na prevenção desta patologia.

Para além da magnetoterapia também teremos de ter em conta técnicas de fisioterapia como:

  • Técnicas de relaxamento.
  • Ultrassons.
  • Laserterapia.
  • TENS.
  • Massagem.
  • Crioterapia.