AUTOR: Francisco Barrios Marco, Fisioterapeuta

A magnetoterapia é uma técnica de fisioterapia especialmente interessante nos processos de reabilitação do Síndrome do túnel do carpo. Entre os efeitos que provoca e consegue uma evolução positiva da citada patologia podemos destacar:

  • Diminuição da inflamação local ao favorecer a sua aplicação a vasodilatação local e, assim, uma normalização da circulação que melhora a drenagem e levará nutrientes que favorecerão uma evolução positiva.
  • Diminuição da dor, em parte pelo efeito directo que provocam os campos magnéticos sobre as terminações nervosas, pelas micro correntes induzidas nos tecidos e em parte também pela melhoria da circulação e o efeito anti-inflamatório que se segue. Diminuir a inflamação contribuirá para enfraquecer a pressão que se exerce sobre o nervo mediano. O efeito de regulação da bomba sódio/potássio levando as células a aproximarem-se do seu potencial de equilíbrio eleva o umbral da dor. Aparte do anterior, e visto que a magnetoterapia produz um relaxamento da musculatura lisa e estriada, isto faz que não seja apenas eficaz contra o tratamento do stress, mas ao aplicar os campos magnéticos na musculatura que se encontra hipertónica actuaremos de forma indirecta sobre os tendões que comprimem o túnel do carpo.

Aplicação da magnetoterapia no síndrome do túnel do carpo:

  • Como cada equipamento gerador de campos magnéticos tem diferentes potências em Gauss, número de solenóides, possibilidades de troca de frequências e tipos de programas para o tratamento das diversas patologias, sugerimos prestar especial atenção ao manual para nos adaptarmos às especificações técnicas de cada equipamento para obter os melhores resultados. Como alternativas às que se podem sugerir em tais casos, podemos sugerir trabalhar com 100 Gauss e Frequências de 20 0 50 Hertzios.

Tratamentos complementares à magnetoterapia e dentro dos equipamentos que trabalham com electromagnetismo são as microondas, a onda curta e a diatermia capacitiva. Dentro da baixa frequência para diminuir a dor optaremos pelo TENS.

A fisioterapeuta tem muitas outras formas para actuar no processo de reabilitação desde a massagem clássica para relaxar a musculatura periférica no lugar afectado até os alongamentos activos ou passivos, ultrassons, laser.