AUTOR: Francisco Barrios Marco, Fisioterapeuta

A Magnetoterapia do campo contínuo aplica-se essencialmente pelos seus efeitos anti-inflamatórios e de aceleração do trofismo. Podemos incluir também aqui as aplicações da terapia dos ímanes. Teremos de ter sempre em conta que o pólo Sul vai provocar um efeito electropositivo e o norte um efeito electronegativo e melhorará portanto nos processos de regeneração óssea.

Os equipamentos de Magnetoterapia que nos permitem modelar a frequência geram um aumento da mobilidade dos iões sobre o lugar em que actuem e isso favorecerá a aceleração dos processos metabólicos contribuindo portanto para encurtar o período de reabilitação. A aplicação mais corrente da Magnetoterapia é na osteoporose uma vez que ao mesmo tempo que dificulta a perda do cálcio o efeito piezoeléctrico que se induz no osso activa a regeneração do mesmo. Há múltiplas patologias que melhoram com a Magnetoterapia, entre elas: fracturas, tendinite, reumatismos, entre as mais conhecidas, mas isso não esgota as possibilidades de tratamento com a magnetoterapia. Passamos a enumerar parte de uma vasta lista de patologias que podem ser tratadas com Magnetoterapia:

● Artrose do joelho, anca, lombar.

● Ciatalgia.

● Espondilite.

● Distrofia de Sudeck.

● Tendinite, tendinose.

● Contusões.

● Contracturas.

● Osteoporose e processos que cruzam com retardação da consolidação óssea.

● Retardação da cicatrização.

● Queimaduras.

● Asma brônquica.

● Queimaduras.

● Melhoria do trofismo local, pé diabético.

● Fibromialgia.

● Síndrome do túnel do carpo.

● Lombalgia, dorsalgia.

MAGNETOTERAPIA. CONTRA-INDICAÇÕES.

Em todos os casos é preciso prestar muita atenção às que se indicam no manual de instruções dos equipamentos de magnetoterapia. De qualquer forma, podemos indicar situações nas quais é preciso recordar que nos encontramos perante contra-indicações praticamente absolutas:

● Não aplicar em pacientes portadores de marca-passos.

● Não aplicar durante a gravidez.

● Não utilizar em patologias tumorais.

● Não aplicar de forma que o campo atravesse o coração.