AUTOR: Francisco Barrios Marco, Fisioterapeuta

Os equipamentos de Magnetoterapia constam de uma série de solenóides que são os encarregados pela produção da indução magnética modulada em frequência e intensidade para obter em cada caso o nível de energia que desejamos aplicar no corpo humano.

Ainda que muito diferentes enquanto tecnologia, estes solenóides não se encontram muito distantes dos electroímanes que produzíamos nas aulas de física enrolando sobre um núcleo de ferro doce um arame de cobre isolado que ao ser percorrido pela corrente criava um campo magnético que nos permitia atrair objectos metálicos.

Os equipamentos de Magnetoterapia actuais podem ser utilizados tanto de forma domiciliária com equipamentos portáteis, como em clínica. Devido ao enorme avanço dos microprocessadores, hoje em dia é possível contar com equipamentos de pouco peso e muito fáceis de usar que podem ser utilizados no próprio domicólio com base numa série de programas simples nos quais é possível seleccionar a patologia e aplicá-los por meio de uma banda que tem incorporada no seu interior de dois a três solenóides responsáveis por gerar o campo magnético.

Os equipamentos de Magnetoterapia clínicos são os mais volumosos e a sua forma de aplicação por meio de solenóides que se encontram situados numa estrutura circular de maior ou menor diâmetro dependendo se vamos realizar um tratamento corporal ou de alguma das extremidades. Estes equipamentos podem realizar também diversas formas de varrimento automático, ou podem ser deslocados à vontade sobre uma engrenagem para aplicá-la no local desejado.

Os solenóides de menor tamanho que se utilizam para aplicações locais em braços ou pernas. São mais adaptáveis e não costumam estar incorporados na maca. As indicações terapêuticas são as mesmas em ambos os casos.