Os solenóides para a aplicação da magnetoterapia encontram-se dentro de uma capa de duas cores. Colocaremos o lado da mesma com a cor verde em direcção à zona lombar para tratar lombalgias, artrose ou contracturas, tentando que a banda fique bem presa, realize um bom contacto com a pele e fique justamente na zona em que notamos os incómodos.

MAGNETOTERAPIA CERVICAL

Como vemos na imagem, a forma de aplicação é muito simples, tendo sempre cuidado para que o lado da capa que está orientado para a zona com patologia seja o verde. Poderemos permanecer sentados ou deitados sempre que a pressão não seja incómoda no pescoço. Recomendamos realizar a aplicação estando sentados e que o campo magnético se faça o mais centrado possível na zona origem do tratamento. Com este tipo de aplicação podemos tratar osteoporose, cervicalgias, artrose e contracturas da zona cervical.

MAGNETOTERAPIA NO OMBRO.

Com esta forma tão simples de colocação na qual ainda se aprecia muito claramente a posição da banda com o lado de cor verde para o interior podemos tratar múltiplas patologias desta articulação tão complexa, desde sequelas de fracturas até periartrite escapulo-humeral, osteoporose e contracturas da musculatura que se encontrem na zona periarticular do ombro.

MAGNETOTERAPIA NA ANCA.

Podemos ver a posição de colocação dos solenóides que nos permite realizar um tratamento sobre a zona coxo-femoral.

Coxartrose, processos inflamatórios, osteoporose contracturas da musculatura periarticular podemos tratar por meio desta simples aplicação.

Como em ocasiones anteriores, devemos recordar que a banda de cor verde deve estar orientada para a zona a tratar.

MAGNETOTERAPIA NO PULSO.

Tal como podemos observar, a aplicação dos solenóides neste caso em concreto é extremamente simples. Apenas é preciso envolver o pulso de forma que o campo magnético o rodeie por completo e com a zona de cor verde da capa em direcção ao local que queremos tratar.

Deste modo podemos tratar déficit de consolidação em fracturas, osteoporose localizadas, tendinite, artrite.

MAGNETOTERAPIA NO JOELHO.

Fixaremos bem os solenóides, com a fivela elástica com velcro que tem a capa, da forma que se indica na imagem.

Com esta forma de aplicação poderemos usar a magnetoterapia para tratar déficits de ossificação, tendinite dos ligamentos laterais, processos artríticos e artrósicos do joelho.

Se colocarmos em extensão tal como aparece na imagem e sentirmos incómodos, podemos colocar una toalha enrolada debaixo da cavidade poplítea e com uma ligeira flexão veremos que esses incómodos devidos à postura desaparecerão.

MAGNETOTERAPIA NO TORNOZELO

Podemos observar que nos encontramos perante uma forma de colocação muito simples. Rodearemos simplesmente o tornozelo para que os solenóides possam envolver toda a articulação e, desta forma, conseguir o maior efeito possível sobre a patologia em questão.

Processos artrósicos, artríticos, osteoporose, déficits de consolidação após fracturas, tendinite e entorses são os tratamentos mais comuns. Nesta zona do corpo.

MAGNETOTERAPIA NA ARTICULAÇÃO DO COTOVELO.

A que aparece na imagem é uma das possíveis aplicações, colocando a capa ligeiramente mais para cima abrangeremos toda a articulação, e um pouco mais para baixo abrangeremos a musculatura de flexão/extensão da mão. Também incluirá a epicôndilo e epitróclea, que serve muito bem para tratar as suas tendinites específicas.

As já indicadas para artrose e processos de déficit na ossificação após fracturas devem ser as patologias mais tratadas com magnetoterapia nesta articulação.